ANIMAIS

SE ALIMENTANDO SEM CRUELDADE

A verdade é a seguinte: Atualmente, a vida dos animais de abate não reflete uma história bonita. Esqueça as lindas ilustrações de animais em fazendas, que vemos em livros infantis e em embalagens de produtos no mercado. Esses lugares, se existiam, estão no passado, antes mesmo de nossos avós nascerem.

Todos os anos, 70 BILHÕES de animais terrestres morrem para a satisfação do paladar humano. Você leu certo, 70 B-I-L-H-Õ-E-S. Uma enorme parte desses animais passam a vida inteira trancados em gaiolas minúsculas e têm partes dos seus corpos mutiladas sem qualquer anestesia ou acompanhamento veterinário. Na indústria do ovo, os pintinhos machos não têm qualquer utilidade e, em muitos lugares, logo ao nascerem, são levados a uma esteira que termina em um triturador. As fêmeas têm seus bicos cortados para evitar canibalismo devido ao alto nível de estresse nesses ambientes. O processo de abate de quase todos esses animais é cruel e covarde. Eles sabem que estão sendo abatidos e muitas vezes permanecem vivos por horas de agonia quando os métodos tradicionais não funcionam.

Colocando de forma simples, imagine uma vida realmente infernal que você não desejaria nem para o seu pior inimigo.

No meio de todo esse cenário obscuro e assustador, alguns poucos animais conseguem escapar desse destino e são protegidos por ativistas e por santuários animais. Aqui nós contamos algumas histórias:
Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.
A vida das
galinhas no
processo de
produção
industrial.
A vida das
galinhas no
processo de
produção
industrial.
A vida das
galinhas no
processo de
produção
industrial.

ESPERANÇA

A história dela não é nada menos que um verdadeiro milagre. Esperança gosta de banhos de poeira, de brincar e conversar com suas amigas no galinheiro… Mas sua vida não foi sempre assim. Esperança foi encontrada em péssimo estado de saúde junto a uma pilha de galinhas mortas em uma granja produtora de ovos. Ela mal respirava quando foi resgatada.

Por ano, aproximadamente 250 milhões de galinhas poedeiras como Esperança são mortas pela indústria de alimentos, em ambientes onde são privadas de tudo que lhes seria natural.

Elas são enfiadas dentro de gaiolas minúsculas onde cada ave dispõe de um espaço menor do que ocuparia um ipad.

As aves não têm condições de esticarem suas asas, andarem ou procurarem por comida. Quando bebês, seus bicos são cortados com uma lâmina quente. Esse procedimento é extremamente doloroso e muitas galinhas morrem porque simplesmente não conseguem suportar a dor ao... comer.

Os machos nem chegam a ter chance de vida. Por não serem capazes de por ovos, eles são imediatamente descartados pela indústria das formas mais cruéis que você pode – ou talvez nem possa – imaginar.
Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.
Presas em
celas
minúsculas
antes do
abate
Presas em
celas
minúsculas
antes do
abate
Presas em
celas
minúsculas
antes do
abate

OLÍVIA

Olívia é muito valente e sortuda. Ela salvou sua própria vida escapando corajosamente de um abatedouro. Você acompanhou o caso dos porquinhos do Rodoanel?! Pois ela é um caso parecido. Porquinhas como Olívia são tratadas como objetos pela indústria.

São mantidas prenhas e aprisionadas dentro de uma cela de metal tão minúscula que não são capazes de virar de lado, deitar confortavelmente ou praticar qualquer tipo de comportamento natural.

Essa prática é tão cruel que muitas porcas enlouquecem nessas circunstâncias. Hora após hora, dia após dia, elas não têm nada a fazer senão morderem as barras de ferro em busca de qualquer sentimento de esperança.

Logo após nascerem, os porquinhos são arrancados de suas mães e submetidos a dolorosos processos de mutilação sem qualquer anestesia. Seus dentes e testículos são arrancados, provocando uma enorme dor que pode levar a semanas de intenso sofrimento.

Depois de ser resgatada e levada para o Santuário, Olívia agora vive uma vida livre e cheia de lazer, tomando banhos de lama diariamente e saindo com seus namorados.
Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.
Aleijada
pelo ganho
de peso
não
natural.
Aleijada
pelo ganho
de peso
não
natural.
Aleijada
pelo ganho
de peso
não
natural.

JUDITE

Judite é a melhor namorada do mundo. Ela lhe faz companhia enquanto você come, fica quietinha sentada ao seu lado ouvindo você falar e até te acompanha no spa para um banho gostoso. Agora sem brincadeiras – assim como nós, as galinhas são extremamente sociáveis, grandes companheiras de seus amigos e familiares, e adoram animar o ambiente.

É muito triste. Como Judite foi um dia, "galinhas de corte" (o termo empregado para aves criadas para abate), são colocadas em imundos galpões superlotados e manejadas para crescerem tão rapidamente que muitas desenvolvem graves problemas de saúde, sofrem ataques cardíacos e se aleijadas, incapazes de andar ou sustentar o peso excessivo e antinatural.

Quão rápido elas crescem? Pense em uma criança de dois anos com 160kg!

Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.
Preso em
uma cela
minúscula
dentro de
uma fábrica
de vitela.
Preso em
uma cela
minúscula
dentro de
uma fábrica
de vitela.
Preso em
uma cela
minúscula
dentro de
uma fábrica
de vitela.

Dylan

Dylan é um rapaz adorável e muito sociável. Ele adora tomar banho de sol, mastigar umas cenouras e se entreter com os amigos.

Mas a vida nem sempre foi assim para ele. Nascido em uma fazenda da indústria leiteira, Dylan foi arrancado à força de sua mãe com apenas um dia de vida e vendido para produção de carne de vitela. Ele foi encontrado amarrado a um poste, em cima de suas próprias fezes, por um casal cheio de compaixão que decidiu levá-lo para um lar digno.

Na produção da carne de vitela, os bezerros têm o pescoço e patas presos por correntes em celas minúsculas de modo a que não possam se mexer, para que sua carne fique mais macia. O abate acontece quando ainda estão com apenas 4 meses de vida. Vale lembrar que um boi, em condições naturais, pode viver 20 anos.

Vacas exploradas pela indústria do leite, como a mãe de Dylan, também têm vidas absolutamente miseráveis. Como todos os mamíferos, as vacas produzem leite para seus bebês. Para continuar produzindo o alimento, elas são mantidas grávidas artificialmente durante toda sua curta vida, até não serem mais "úteis" para a indústria. Elas são mantidas em celas de ferro tão pequenas que mal podem se mexer. Com apenas quatro anos de idade, o que resta de sua integridade é vendido para abate.
Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.
Capturado
para uma
morte
lenta e
dolorosa.
Capturado
para uma
morte
lenta e
dolorosa.
Capturado
para uma
morte
lenta e
dolorosa.

VIDA MARINHA EM PERIGO

Peixes sentem dor? Claro que sim. A ciência já nos mostrou que esses animais sentem dor de forma muito parecida com os mamíferos. E também sentem prazer. Aliás, os peixes produzem um hormônio chamado ocitocina, que é a substância liberada quando os humanos se apaixonam.

Mas a vida no mar não se trata apenas de histórias de amor. A pesca industrial é responsável por exterminar bilhões – sim, BILHÕES – de peixes todos os anos.

E os peixes não são as únicas vítimas da pesca industrial. Golfinhos, tartarugas marinhas e vários outros seres aquáticos são capturados nas redes gigantes.

Alguns peixes também são criados em fazendas marinhas industriais superlotadas, sujas e repletas de doenças.

Como podemos evitar a exploração animal optando por refeições vegetarianas.


O ABATE "HUMANITÁRIO" TEM PROBLEMA?

Uma porcentagem minúscula de animais em pequenas fazendas talvez até sejam tratados de forma relativamente digna durante a vida, mas a realidade é que muitos desses seres ainda assim são separados de suas famílias e mutilados sem qualquer anestesia, além de suas mortes serem inevitavelmente sangrentas, violentas e totalmente desnecessárias. Você já tentou imaginar o desespero de um animal no momento em que percebe que irá morrer?

E OVOS DE GALINHA CAIPIRA?

Qualquer coisa é melhor do que o pesadelo imposto às galinhas no processo de produção avícola industrial, mas infelizmente mesmo galinhas caipiras são forçadas a coisas absolutamente contrárias à sua vontade. A morte violenta, e muitas vezes lenta, é prematura e inevitável.
 

 

VEJA VOCÊ MESMO

Este alarmante vídeo te leva para trás das portas fechadas da indústria da carne, revelando o que os animais passam até chegarem à sua geladeira.
PRÓXIMA PÁGINA
Saúde